Como escolher o cabo drop ideal para sua rede óptica passiva!

Como escolher o cabo drop ideal para sua rede óptica passiva!

Como escolher o cabo drop ideal para sua rede óptica passiva!

Drop ideal para sua rede fibra óptica

Toda rede FTTx necessita de cabos ópticos troncais para funcionar, chamados de backbone, considerada a “espinha dorsal” da rede e por onde passam os dados de todos os usuários. Porém, para entregar o serviço ao usuário final são necessários os cabos de acesso ao assinante, comumente chamados de cabo drop.

Neste post iremos explicar os códigos e siglas dos cabos drop, além de abordar alguns pontos que auxiliam na escolha do melhor cabo para se trabalhar.

A ESCOLHA DO CABO DROP

Na hora de escolher o cabo ideal para sua rede, dois pontos cruciais devem ser levados em consideração: o tipo de fibra utilizada e o modo de construção do cabo. Para a escolha correta do tipo de fibra a se utilizar, sugerimos a leitura do post “Conheça os padrões de mercado para fibras ópticas monomodo”. No caso do cabo drop, o ideal é o uso da fibra do tipo G.657A2, por se tratar de uma fibra insensível à curvatura.

O modo de construção do cabo abrange desde o tipo de material utilizado até o modo de montagem. Para se trabalhar mais facilmente e não ter alta incidência de quebra, a fibra não pode ficar solta dentro do cabo drop, isto é, não pode deslizar internamente ao ser puxada ou empurrada. Caso o cabo tenha essa característica, isso fará que, no momento da decapagem do acrilato, a fibra possa correr internamente no cabo e a quebre. Por isso aconselha-se somente o uso de cabo drop que não possibilite que a fibra trabalhe internamente, minimizando assim possíveis problemas na sua rede.

Outro ponto a ser analisado é o elemento de tração do cabo, que pode ser metálico ou de FRP (Fiber Reinforced Plastic). Quando o elemento for metálico, normalmente será de aço; já quando for de FRP, será um polímero reforçado de fibra, podendo variar entre vidro, carbono, aramida e basalto. Ao utilizar o elemento metálico, a estrutura do cabo drop deixa de ser dielétrica, e, portanto, caso na instalação do assinante a capa do cabo seja afetada e este elemento seja exposto, o cabo poderá conduzir eletricidade, já que o metal é condutor. Isso poderá, em casos extremos, fazer com que ocorram descargas elétricas em ambas as extremidades do cabo. Utilizando um cabo dropcom elemento de FRP isto não ocorre, pois mesmo que a capa seja danificada e este elemento seja exposto em uma rede energizada, não haverá condução de eletricidade, não gerando assim risco de choque elétrico.

No momento da escolha do cabo drop é normal se deparar com alguns códigos e cada um deles possui um significado que faz toda a diferença. Vamos entendê-los melhor:

CFOAC: Cabo de Fibra Óptica com revestimento de Acrilato de acesso ao Cliente.

CFOI: Cabo de Fibra Óptica para uso Interno.

SM (Single Mode): fibra monomodo.

MM (Multi Mode): fibra multimodo.

AS (Auto Sustentado): consiste em um cabo que suporta seu próprio peso sem alterar suas características mecânicas sob interferências naturais e climáticas.

MF (Mono Fibra): cabo composto de uma única fibra.

BLI-A/B (Bending Loss Insensitive): especificação da norma G.657 que se refere a fibras insensíveis a curvaturas. Ou seja, mesmo que haja uma curvatura acentuada na fibra, a mesma se comportará igualmente à fibra sem curvatura.

CD: Compacto Dielétrico.

AR: cabo com Atrito Reduzido, ou seja, seu revestimento exterior facilita com que este seja lançado através de conduítes e tubulações.

COG: Cabo Óptico de uso Geral que deve respeitar a norma NBR 6812 ou UL 1581. Estas normas verificam a retardância das chamas quando incidem no cabo.

LSZH (Low Smoke Zero Halogen): deve respeitar a norma NBR 14705 que classifica os cabos internos para telecomunicações quanto ao comportamento frente à chama. Caso ocorra a queima deste cabo, o mesmo apresenta baixa emissão de fumaça e não gera gases tóxicos.

fonte:https://www.cianet.com.br/como-escolher-o-cabo-drop-ideal-para-sua-rede-optica-passiva/

Deixe seu like!
admin